Destaques

ads slot

Cores surreais atraem olhares para arquitetura das cidades

Nova exposição da fotógrafa Tânia Buchmann entra em cartaz na Galeria do ParkGourmet




Uma estética onírica para atrair olhares atentos para a história presente na arquitetura das cidades. Esse é o propósito da fotógrafa curitibana Tânia Buchmann com a sua mais nova exposição intitulada “Oniricidade”, que está em cartaz na Galeria do Park Gourmet, no ParkShoppingBarigüi. Composta por sete fotos, a exposição apresenta imagens inéditas dos telhados e fachadas de prédios históricos de Curitiba, Antonina e São Francisco do Sul, que receberam tratamentos em cores surreais para chamar a atenção do público para a real importância dessas edificações. “Com a alteração da cor do céu e dos prédios, as formas e contornos ganham destaque, valorizando a poética visual”, explica a artista.

Com 20 anos de trabalhos em fotografia e formação em Sociologia, Tânia procura aproximar a sua arte das Ciências Sociais. Seu primeiro livro – “Estados Unidos de Cuba” –, por exemplo, é um ensaio fotográfico somente de modelos de carros norte-americanos que circulam pelas ruas de Cuba, revelando a presença e a utilidade dos bens de consumo capitalistas em uma sociedade comunista.

Nessa nova exposição, a artista mostra uma variante do seu projeto “Casas das Almas”. “Nos últimos anos, tenho registrado edificações abandonadas em diferentes cidades brasileiras, que estão prestes a serem demolidas e a desaparecerem do mapa. A essência desse trabalho é o meu interesse pela finitude inevitável das coisas. Essa pesquisa me chamou a atenção para o fenômeno da verticalização das cidades e o quanto perdemos de história e identidade a cada demolição”, destaca Tânia, que também é supervisora dos cursos de Fotografia e Artes Visuais do Centro Europeu.

Dessa pesquisa, surgiram registros também dos prédios históricos das cidades que não estão sob ameaça de demolição, mas que precisam ser reconhecidos e valorizados pelos cidadãos como patrimônio real das cidades. Tânia selecionou e tratou sete dessas imagens para compor a exposição “Oniricidade”. São duas imagens do Paço da Liberdade (fachada e torre), na praça Generoso Marques; uma imagem da Igreja do Rosário e outra de uma casa de 1930, ambas no Largo da Ordem; uma foto da fachada do Clube Concórdia; o registro da cúpula de um templo em São Francisco do Sul; e uma paisagem da baía de Antonina com uma ruína em primeiro plano. Para destacar essas construções, Tânia coloriu os céus de magenta, laranja, verde, amarelo e vermelho criando imagens novas e instigantes.

“Essa é a primeira vez que exponho meu trabalho na galeria do Park Gourmet. Acho interessante expor em shopping para poder atingir diversos públicos. Levar arte para todos os espaços é uma das missões do artista. A arte pode e deve estar em todo lugar. É muito bom sensibilizar as pessoas para que enxerguem as construções antigas que contam histórias e que estão cedendo lugar para novos prédios”, comenta.

A exposição “Oniricidade” ficará em cartaz até dezembro, com visitação gratuita nos horários de funcionamento do Park Gourmet, no ParkShoppingBarigüi (R. Prof. Pedro Viriato Parigot de Souza, 600. Mossunguê).

Especial


Colunistas