Destaques

ads slot

Problema pode estar associado a atividades físicas e laborais e ao tabagismo


“A dor no ombro corresponde a 20% das queixas dos pacientes que procuram os consultórios ortopédicos e de fisioterapia, sendo superado apenas por problemas relacionados à coluna vertebral”, afirma o​ médico Guilherme Gonzalez, ortopedista e especialista em cirurgia de ombro e cotovelo do Hospital VITA
​​
.
A articulação do ombro por apresentar anatomia peculiar e grande amplitude de movimento, torna-se mais vulnerável a processos microtraumáticos e degenerativos que levam a alterações das estruturas anatômicas que o compõe.

O ortopedista explica que as causas da dor no ombro são variadas, podendo estar associadas a falhas posturais e/ou movimentos repetitivos com o braço levantado durante a realização de atividades do lar, profissionais, recreacionais ou esportivas. “Esportes como tênis, natação, handebol e vôlei, que necessitam de giro do braço ou o movimento de arremesso, atividades realizadas em academias de ginástica e crossfit, se não bem orientados também predispõem os praticantes a lesões”, acrescenta o médico.

O especialista explica ainda que a dor no ombro pode estar ligada também ao tabagismo, que leva à redução do calibre dos vasos sanguíneos dos tendões, favorecendo o surgimento das lesões.

Dores musculares, bursites, tendinites/tendinopatias e lesões tendinosas (parciais e totais) são os problemas mais comuns que ocorrem no ombro. A dor surge lentamente e pode irradiar para braço e pescoço e aumentar com a repetição de movimentos. “Outra importante característica é a presença da dor noturna, que se torna mais intensa quando a pessoa se deita, independentemente da posição”, pontua o ortopedista.

De acordo com o médico, a quase totalidade das tendinites/tendinopatias ocorre no manguito rotador, um conjunto de quatro músculos e tendões (supraespinhal, infraespinhal, subescapular e redondo menor), responsáveis pela movimentação e estabilidade do ombro. Além disso, apresenta um caráter progressivo podendo evoluir para as rupturas dos tendões, caso um tratamento específico não seja realizado.

Precaução - Mudança de hábitos de vida, cuidados posturais e atividade física regular orientada contribuem para a prevenção das lesões de ombro.

As pessoas que apresentam um quadro agudo/crônico de dor no ombro devem ser tratadas com medicação e reabilitação fisioterápica para reestruturação de funcionamento do ombro, geralmente melhorando as bursites, tendinites/tendinopatias e lesões parciais dos tendões. “Para as lesões que não melhoram com tratamento clínico ou quando há rupturas completas pode haver a necessidade de procedimentos cirúrgicos”, destaca o médico.


Instagram @curitibaemdestaque


Curitiba em Destaque

Colunistas

Menu