Destaques

ads slot

Reunião de estrelas garante a diversão em Oito Mulheres e um Segredo - Filmes, por Rudney Flores



Sandra Bullock, Cate Blanchett, Sarah Paulson, Rihanna e a novata Awkwafina estão no elenco do filme de Gary Ross.
Crédito da foto: Barry Wetcher/Warner Bros. Entertainment Inc.


Sandra Bullock, Cate Blanchett, Anne Hattaway, Helena Bonham Carter, Sarah Pulson, Mindy Kaling, Rihanna. Essa grande reunião de vencedoras ou indicadas do Oscar, Globo de Ouro e Emmy, além de uma estrela da música mundial, é o grande atrativo de Oito Mulheres e um Segredo, filme que é um dos principais destaques da extensa programação de lançamentos esta semana em Curitiba.

A produção dirigida e escrita por Gary Ross (Jogos Vorazes) dá sequência à franquia de filmes de assalto que foi sucesso nos anos 2000, iniciada com Onze Homens e um Segredo, todos dirigidos por Steven Soderbergh e protagonizados pelos astros George Clooney, Brad Pitt, Matt Damon – a história original é de um filme da década de 1960, com Frank Sinatra, Dean Martin e Sammy Davis Jr., estrelas que lideravam o Rat Pack, grupo que se unia em diversos projetos de filmes e shows de sucesso na época.

Na nova aventura, Bullock é Debbie Ocean, irmã do personagem de Clooney, Danny, mentor de espetaculares assaltos nos filmes anteriores. Ela passou mais de cinco anos presa e, ao ser libertada sob condicional, não perde tempo em reunir uma equipe feminina para realizar o seu assalto também sensacional: roubar uma famosa joia em pleno baile anual do Museu Metropolitan, em frente a uma plateia de seletos convidados – uma oportunidade para agregar mais famosos entre atores, modelos e esportistas conhecidos mundialmente.

Como acontece quase sempre nessas grandes reuniões estelares, o elenco parece estar se divertindo muito e esse clima também é passado ao espectador, tornando a produção mais agradável de se ver. E esse é a maior qualidade de Oito Mulheres e um Segredo, pois a história do assalto é mesmo bem fraca – tudo dá sempre certo para as gatunas, que conseguem realizar sem o menor esforço todas as ideias que planejaram. Diversão descartável, mas que entrega o que anuncia e deixa os fãs felizes. Cotação: Regular.

Trailer de Oito Mulheres e um Segredo:


Terror clássico

Desde os primeiros trabalhos, como o premiado Um Ramo – vencedor de melhor curta-metragem pela crítica no Festival de Cannes 2007, sobre uma moça que vê uma folhinha verde começar a crescer em seu braço –, o cinema da dupla de diretores Juliana Rojas e Marco Dutra, seja em conjunto ou em produções-solo, sempre foi marcado pelo gosto pelo estranho e o inusitado, passeando por gêneros como o suspense e o terror – vale conferir os longas Trabalhar Cansa (2011), dos dois, Quando Eu Era Vivo (2014), só de Dutra, e Sinfonia da Necrópole (2014), só de Rojas.

O novo filme dos cineastas paulistas, As Boas Maneiras, a estreia mais interessante desta semana nos cinemas da capital paranaense, em cartaz apenas em escassas duas sessões no UCI Estação, dá sequência ao consistente trabalho que realizam e que continua sendo aprimorado. A produção, grande vencedora do Festival do Rio 2017, ganhando como melhor filme na votação do júri oficial e da crítica, é, em sua essência, um terror clássico, mas destaca temáticas sociais e também uma relação lésbica – um tipo de amor que, no cinema, é menos representado e ainda muito marginalizado (poucos filmes do gênero têm finais felizes), ao contrário das produções com temática gay masculina, que são muito mais realizadas e mais aceitas atualmente.

A história começa com Ana (Marjorie Estiano, que também está no ótimo Paraíso Perdido, ainda em cartaz em Curitiba) tentando contratar uma babá para seu futuro bebê. A personagem entra em acordo com Clara (a portuguesa Isabél Zuaa, de Joaquim, baseado na vida de Tiradentes), que passa a viver com ela no apartamento de um bairro classe alta da capital paulista. A rica Ana, filha de um fazendeiro, passa a se aproximar cada vez mais da negra empregada, moradora da periferia paulistana. Em pouco tempo, há um envolvimento sexual entre as mulheres, mas Clara percebe que a patroa/amante tem estranhos hábitos noturnos, principalmente em noites de lua cheia.

Nesse ponto, o filme envereda totalmente para uma bem elaborada e tensa trama centrada em um personagem mítico para diversas culturas, e também adicionando inesperados momentos musicais comandados pela personagem Amélia (a cantora Cida Moreira), senhoria de Clara. Há ainda bons efeitos visuais – raros no cinema nacional –, resultado da coprodução com um estúdio francês. Cotação: Ótimo.

Trailer de As Boas Maneiras:


A história de Iván

A evolução do gênero documental nas últimas décadas trouxe ótimas novidades ao cinema. Hoje, é comum o espectador acompanhar produções híbridas, nas quais as barreiras entre o documentário e a ficção não são muito claras, tornando ainda mais interessante a interpretação do que é real ou não do que está se vendo na tela. As experimentações nesse sentido continuam sendo realizadas e um bom exemplo desse tipo de cinema é o documentário Los Territorios, que estreia esta semana nos cinemas da Fundação Cultural de Curitiba – Cinemateca e Guarani.

O diretor argentino Iván Granovsky é ele mesmo o personagem central da coprodução Brasil-Argentina. Com muita autoironia, ele se apresenta ao espectador como um pessoa muito inteligente, capaz de guardar diversas informações como as capitais da maior parte dos países. Mas, ao mesmo tempo, nunca consegue terminar os projetos que inicia, ou mesmo desenvolver seus relacionamentos com as namoradas – um loser completo na essência. Para completar, Iván não sabe se quer ser jornalista – profissão em que o pai famoso se destaca e acaba o eclipsando – ou produtor, e vive dos recursos da mãe rica, sempre a financiar seus trabalhos.

E são esses projetos que levam Iván a estar presente para acompanhar diversos momentos marcantes do cenário geopolítico dos últimos anos no mundo: a questão judaico-palestina, os movimentos de imigração na Europa, o terrorismo e até as manifestações brasileiras de 2013 – apesar de que não consegue produzir nada de interessante mesmo com esses grandes temas em mãos.

Em certo momento do filme, o diretor se apresenta como ator, o que muda toda a interpretação do que se vê na tela e levanta questões interessantes sobre o que é real ou não sobre ele. O espectador estaria diante de um mockumentary (falso documentário com personagem fictício ou histórias inventadas como se fossem reais)? O aparente tom monótomo da produção na realidade esconde uma grande quantidade de informações a ser analisada nesse filme que, talvez, deva ser visto mais de uma vez para ser melhor compreendido. Cotação: Bom.

Trailer de Los Territorios:


Temática russa

A Rússia está presente em duas produções que estreiam esta semana. Em A Morte de Stalin, de Armando Iannucci, os preparativos para o funeral do sanguinário ditador do russo são apresentados em tons de comédia, com os políticos do país fazendo de tudo para ascender ao poder.

O destaque fica com o elenco de bons atores que costumam ser apenas coadjuvantes em diversos filmes: Steve Buscemi (de FargoCães de Aluguel) como Nikita Khrushchev, que acabou assumindo o controle do Partido Comunista em substituição a Stalin, Jeffrey Tambor (da franquia Se Beber, Não Case), Paddy Considine (de Terra dos SonhosO Ultimato Bourne) e Jason Isaacs (da franquia Harry Potter). O filme estreia no Cineplex Batel e no Espaço Itaú.

Trailer de A Morte de Stalin:


Já Anna Karenina – A História de Vronsky, do diretor Karen Shakhnazarov (de o Assassinato de Tzar), em cartaz apenas no Espaço Itaú, traz uma nova visão da história apresentada no clássico da literatura mundial criado por Leon Tolstói.

O centro da trama se desloca para o conde Vrosnky (Max Matveev), oficial ferido durante a guerra entre Rússia e Japão, em 1904 – os países disputavam territórios na China na época. No hospital, ele é reconhecido por Sergey Karenin (Kirill Grebenshchikov), filho de Anna Karenina (Elizaveta Boyarskaya). Sergey quer saber do amante da mãe os motivos que a levaram à morte.

Trailer de Anna Karenina – A História de Vronsky:


Outras estreias

O filme de ação da semana é Um Dia para Viver, de Brian Smrz. Na história, Ethan Hawke (da ótima trilogia Antes do AmanhecerAntes do Pôr-do-Sol e Antes da Meia-Noite) é o assassino de aluguel Travis Conrad, ressuscitado pelo seu empregador para mais um serviço. Ele tem 24 horas para completar o trabalho, caso contrário, sua mulher e filha serão mortas. A produção tem no elenco o sumido Rutger Hauer (do clássico Blade Runner – O Caçador de Androides).

Trailer de Um Dia para Viver:


Os Estranhos – Caçada Noturna é a segunda produção de uma franquia de filmes de terror, gênero que mais gera sequências atualmente. A trama destaca um casal que viaja para levar a filha problemática a um internato. Durante o trajeto, eles param para dormir em um parque de trailers e começam a ser perseguidos implacavelmente pelo trio de assassinos do filme original, de 2008. O nome mais conhecido do elenco é Christina Hendricks, da cultuada e já encerrada série de tevê Mad Men. O filme está sendo lançado no Cineplus Jardim das Américas e nos UCI Palladium e Estação.

Trailer de Os Estranhos – Caçada Noturna:

A história de Vingança, que estreia apenas no UCI Estação em Curitiba, já foi tema de uma série recente de filmes chamada Doce Vingança. Uma bela moça vivida pela atriz italiana Matilda Lutz (de O Chamado 3) é estuprada por um grupo de homens e abandonada para morrer. Mas ela sobrevive e parte para revidar a violência que sofreu.

Trailer de Vingança:



Em No Olho do Furacão, um grupo de assaltantes pretende roubar o prédio do Tesouro dos Estados Unidos, aproveitando que um poderoso furacão irá passar pela capital Washington. Quem tentará impedi-los serão o meteorologista Will (Toby Kebbell), seu irmão Breeze (Ryan Kwanten), e a agente do Tesouro Casey (Maggie Grace, da série Lost).

Trailer de No Olho do Furacão:


Dirigido pelo brasileiro Licínio Azevedo, o filme moçambicano Comboio de Sal e Açúcar retrata a guerra civil que aconteceu no país africano no final dos anos 1980. Na história, vários personagens buscam fugir do conflito viajando em um trem que segue para o vizinho Malawi. A produção tem lançamento apenas no UCI Estação.

Trailer de Comboio de Sal e Açúcar:


Olhar de Cinema – Festival de Cinema de Curitiba

A sétima edição Olhar de Cinema – Festival Internacional de Curitiba está em cartaz desde a última quarta-feira com sessões no Cineplex Batel, Espaço Itaú, Sesc Paço da Liberdade, Centro Cultural Sesi Heitor Stockler de França. A programação destaca 156 filmes de 46 países, entre produções novas, clássicos e retrospectivas.

Paralelamente às exibições, o festival promove o Curitiba_Lab, iniciativa que busca estimular e aprimorar o desenvolvimento de projetos e que, este ano, selecionou nove projetos dentre 70 inscritos. Também estão programadas três oficinas voltadas para animação, som e roteiro, e diversos seminários que tratarão de temas como distribuição do cinema de autor, crítica e curadoria, representação e representatividade.

O festival segue até 14 de junho. Confira a programação completa no site olhardecinema.com.br.






Instagram @curitibaemdestaque


Curitiba em Destaque

Colunistas

Menu