Destaques

ads slot

O inovador Buscando... destaca influência da tecnologia e trama de suspense. FILMES, por Rudney Flores

John Cho vive pai busca a filha desaparecida com a ajuda da tecnologia.
Crédito da Foto: Sebatian Baron/Sony Pictures



Retrato muito fiel de como a tecnologia está cada vez mais inserida no dia a dia das pessoas, Buscando..., uma das principais estreias da semana nos cinemas brasileiros, destaca uma história toda contada através de telas e câmeras de computadores e celulares. A produção inovadora, mas não inédita no cinema, marca a estreia na direção de longas-metragens do jovem americano de origem indiana Aneesh Chaganty, também responsável pelo roteiro.

No centro do drama está David Kim (John Cho, o Sulu da nova franquia Star Trek), pai viúvo – como mostra a boa sequência de abertura, com vídeos da vida em família até a morte da esposa – que cria sozinho a filha adolescente Margot (Michelle La). A moça um dia desaparece sem dar explicações e David se utiliza de toda a tecnologia disponível para tentar encontra a filha. Outro personagem importante da trama é a detetive policial Vick (Debra Messing, da série de tevê Will & Grace), que investiga o sumiço de Margot.

Uma quantidade enorme de informações passa rapidamente pelas telas e vídeos retratados – para facilitar, a versão brasileira do filme traz todos os textos em português, seja de sites, aplicativos ou bate-papos em redes sociais –, o que depois de um tempo pode cansar até que não desgruda o olho de seu celular no dia a dia.

Chaganty compensa a overdose de imagens e telas com um suspense constante. Insatisfeito com o trabalho da polícia, o pai se embrenha cada vez mais em conhecer a menina que criou, mas da qual descobre saber muito pouco na realidade – uma sensação que possivelmente é compartilhada por muito pais atualmente. É David quem acaba descobrindo as principais pistas para se chegar a Margot, o que resulta em incessantes reviravoltas na história, um artifício que acaba sendo utilizado além do ponto pelo diretor/roteirista.

Mesmo se preocupando muito mais com o formato do filme do que levantar um debate maior sobre a influência da tecnologia, Chaganty consegue deixar nas entrelinhas algumas questões para reflexão, como a relação pais e filhos nos dias atuais e a onipresença do aparato tecnológico na vida das pessoas – no caso de David, isso até traz muito benefícios, mas na vida real nem sempre é assim. Cotação: Bom.

Trailer de Buscando...:


Possivel nova franquia

O cinema de fantasia ganha mais uma tentativa de franquia com o lançamento de O Mistério do Relógio na Parede, baseado no primeiro livro do personagem Lewis Barnavelt, criado pelo escritor John Bellairs. A direção da produção é de Eli Roth, que estreia no gênero depois de se estabelecer no cinema com filmes violentos como a série O Albergue.

Após o grande sucesso da franquia Harry Potter, iniciada em 2001 e que rendeu oito lucrativos filmes, passou-se a buscar em Hollywood uma nova série de magia para suceder a saga do jovem bruxo de Hogwarts, criado pela escritora J.K. Rowling. A primeira tentativa aconteceu ainda em 2004, com Desventuras em Série, dos livros de Lemony Snicket, que não teve sequência, mas rendeu uma série recente na Netflix.

Na sequência, vieram As Crônicas de Nárnia, de C.S. Lewis, e Percy Jackson, de Rick Riordan, obras que renderam filmes de razoável repercussão, entre outras tentativas frustadas. Há dois anos, houve um bem-sucedido retorno ao mundo de Harry Potter com Animais Fantásticos, franquia que deverá ter cinco capítulos no cinema.

A depender da produção inicial, as histórias de Lewis Barnavelt (vivido pelo jovem Owen Vaccaro, dos filmes Pai em Dose Dupla) caiam no mesmo grupo de Desventuras em Séries e talvez não ganhem sequência nas telas. Apesar do elenco de peso – Jack Black (Jumanji – Bem-Vindo à Selva), Cate Blanchett (Oscar de melhor atriz por Blue Jasmine) e Kyle Maclachlan (da série de tevê Twin Peaks) –, o filme de Roth não decola em nenhum momento, mesmo com uma ótima direção de arte e bons efeitos especiais.

Falta mais aventura à trama do menino Lewis, que vai morar na misteriosa mansão do tio Jonathan (Black) após a morte de seus pais. Na casa, ele conhece a estranha vizinha dele, a Sra. Zimmerman (Blachett), e fica sabendo que ela e o tio são feiticeiros que estão tentando descobrir a localização de um relógio escondido nas paredes do imóvel pelo bruxo Isaac Izard (Maclachlan), objeto que tem a ver com um maligno plano de destruição do mundo. O menino também se envolve no universo da magia e, inexperiente, acaba cometendo algumas besteiras, como esperado.

Acostumado a thrillers, Roth comanda algumas cenas interessantes de terror na história (com abóboras e bonecos malignos), mas o roteiro deixa a desejar com uma ação que demora muito a engrenar. O vilão quase não aparece e, quando dá as caras, não provoca muitos sustos. São pontos que precisam ser revistos se houver continuações no cinema. Cotação: Regular.

Trailer de O Mistério do Relógio na Parede:


Outras estreias

A programação da semana segue variada na capital paranaense, destacando diversos gêneros. A ação está em 22 Milhas, estrelado por Mark Wahlberg, que repete mais uma parceria com o diretor Peter Berg, depois de Horizonte Profundo – Desastre no Golfo e O Dia do Atentado, ambas produções de 2016.

O ator americano vive James Silva, agente da CIA que atua na Indonésia e precisa transportar um informante para um local seguro, um aeroporto que fica a 22 milhas da central da agência americana na ilha que fica entra a Ásia e a Oceania. O elenco conta com John Malkovich (Queime Depois de Ler), Lauren Cohan (a Maggie da série televisiva The Walking Dead) e a lutadora do UFC Ronda Rousey.

Trailer de 22 Milhas:


Vencedor do Oscar de melhor ator por O Artista, o francês Jean Dujardin protagoniza a comédia de época O Retorno do Herói, do diretor Laurent Tirard (dos ótimos filmes da série O Pequeno Nicolau). O comediante vive o capitão Neuville, um sedutor que vai para a frente de batalha no início do século 19 e deixa em casa a noiva, prometendo escrever para ela todos os dias.

Mas o militar nunca mais dá sinal de vida e, para consolar a moça, sua irmã Elizabeth (Mélanie Laurent, de Bastardos Inglórios) decide inventar cartas de Neuville – depois, ela notifica sua suposta morte. O problema é que, anos mais tarde, o capitão retorna para a cidade, e Elizabeth precisa impedir que ele atrapalhe o casamento da irmã. O filme estreia somente no Cineplex Batel.

Trailer de O Retorno do Herói:


Seguindo a linha do compatriota Asghar Farhadi – vencedor de dois Oscar de melhor filme estrangeiro por A Separação (2011) e O Apartamento (2016) –, o diretor iraniano Vahid Jalilvand apresenta o drama Sem Data, Sem Assinatura, que também envolve questões morais.

Na história, o médico Kaveh Nariman (Amir Aghaee) acaba batendo seu carro em uma moto que levava um homem e seu filho. O menor se machuca e o doutor oferece ajuda para levá-lo ao hospital, mas o pai recusa. No dia seguinte, a criança morre e Nariman se sente culpado. Ele suspeita que a causa do óbito pode ter sido o acidente, apesar da autópsia dizer que não. A produção está sendo lançada no Espaço Itaú.

Trailer de Sem Data, Sem Assinatura:


Uma Questão Pessoal, filme que chega ao Espaço Itaú e ao Cineplex Batel, marca a despedida do diretor e roteirista italiano Vittorio Taviani (morto em abril deste ano), que ao lado do irmão Paolo Taviani desenvolveu uma carreira muito respeitada no cinema em filmes com Pai Patrão (1977), Kaos (1984) e César Deve Morrer (2012).

A produção é uma adaptação do romance homônimo do escritor Beppe Fenoglio e tem a ação passada em 1943, durante a Segunda Guerra Mundial. O militar Milton (Luca Marinelli, de A Grande Beleza) é apaixonado por Fulvia (Valentina Bellé, da série de tevê Grande Hotel), mas esta só tem interesse por Giorgio (Lorenzo Richelmy, da série de tevê Marco Polo), que faz parte da resistência ao grupo fascista que comandava a Itália na época. Giorgio é capturado pelos oponentes e, para agradar Fulvia, Milton faz de tudo para libertá-lo.

Trailer de Uma Questão Pessoal:


Outro filme de suspense da semana é Traffik – Liberdade Roubada, programado para o Cinemark Barigui e Cinépolis Pátio Batel. A trama é centrada no casal Brea (Paula Patton, de Missão: Impossível – Protocolo Fantasma) e John (Omar Epps, da série televisiva House), que pretende passar um fim de semana romântico nas montanhas com amigos. Numa parada em um posto de gasolina antes de chegar ao local de encontro, eles são abordados por um grupo de motoqueiros que passa a persegui-los sem motivo aparente.

Trailer de Traffik – Liberdade Roubada:


Nacionais

O diretor Thiago Luciano comanda, roteiriza e protagoniza seu segundo longa-metragem, Fica Mais Escuro Antes do Amanhecer, que tem lançamento na Cinemateca de Curitiba. A produção fala de um tema apocalítico, de como uma população de uma região do Brasil encara terríveis mudanças climáticas que podem dar fim à vida de todos. Em meio ao drama geral, Ian, personagem central vivido pelo cineasta, enfrenta problemas com a esposa (Lucy Ramos) e com o chefe (Caco Ciocler, de 2 Coelhos).

Trailer de Fica Mais Escuro Antes do Amanhecer:


Com O Renascimento do Parto 3, o diretor Eduardo Chauvet fecha uma trilogia sobre as condições do parto no Brasil. Entre os temas focados na nova produção estão os locais onde o Sistema Único de Saúde (SUS) tem sucesso na área obstétrica e o cenário do parto em diferentes países como Holanda, Nova Zelândia e Camboja, além da importância do aleitamento materno segundo as diretrizes da Organização Mundial de Saúde. O filme entra em cartaz no Espaço Itaú.

Trailer de O Renascimento Parto 3:


Western clássico

A sessão Clássicos Cinemark 2018 programa para a próxima terça-feira (dia 25), às 20 horas, na sala do Shopping Mueller, Por um Punhado de Dólares, do cultuado diretor italiano Sergio Leone, produção que ajudou a popularizar o gênero western spaghetti nas telas.

Lançado em 1964, o filme é o primeiro da Trilogia do Homem Sem Nome (os outros são Por uns Dólares a Mais, de 1965, e Três Homens em Conflito, de 1966), todos estrelados por Clint Eastwood. Nessa primeira história, o ator americano vive um pistoleiro que chega a uma cidade da fronteira dos Estados Unidos com o México, palco de uma guerra entre duas perigosas gangues rivais.

Clint Eastwood é o Homem Sem Nome, protagonista da trilogia de western spaghetti do diretor Sergio Leone.
Crédito da Foto: Divulgação/MGM.


Instagram @curitibaemdestaque


Curitiba em Destaque

Colunistas

Menu