Destaques

ads slot

James Cameron apresenta Alita – Anjo de Combate. FILMES, por Rudney Flores

Criada por computação gráfica, Alita tem interação perfeita com os atores reais do filme como Cristoph Waltz.
Crédito da foto: Divulgação/Fox


Principal estreia nos cinema brasileiros neste fim de semana, Alita – Anjo de Combate, é um projeto antigo do diretor James Cameron, que desejava fazer a adaptação do mangá/anime japonês desde a década de 1990. Mas tecnologia da época não permitia fazer tudo o que o cineasta imaginava para a produção, e alguns anos depois ele também se envolveu com a realização de Avatar (2009), deixando Alita de lado.

Cameron está trabalhando atualmente na continuação de Avatar – que terá o lançamento de quatro novos filmes entre 2020 e 2025 – e passou o projeto de Alita para o diretor Robert Rodriguez (Sin City – A Cidade do Pecado), mas manteve as funções de produtor e roteirista. Dessa forma, a marca do também criador da franquia O Exterminador do Futuro e do megasucesso Titanic se faz presente na adaptação das histórias criadas por Yukito Kishiro, para o bem e para o mal.

A história se passa no século 27, em um mundo pós-apocalíptico, resultado de uma grande guerra interplanetária acontecida 300 anos antes na Terra. A população de elite vive em Zalen, a última cidade suspensa do planeta. Abaixo dela, fica a Cidade de Ferro, com uma população de humanos desfavorecidos, muitos deles parte máquina. O doutor Dyson Ido (Christoph Waltz, premiado com Oscars de ator coadjuvante por Bastardos InglóriosDjango Livre), que lida com organismos cibernéticos, acha um pedaço de um ciborgue nos dejetos de Zalem e resolve lhe dar um corpo, ativando-o novamente. Nasce Alita, que ainda não tem memória de quem realmente seja.

O lado positivo de Cameron no filme é percebido pela ótima utilização da tecnologia e das elaboradas cenas de ação. Alita é um personagem totalmente computadorizado interagindo perfeitamente ao lado de atores reais. Ela é baseada na captura de movimentos e no ótimo trabalho da atriz Rosa Salazar (da franquia Maze Runnner), que dá a voz também à heroína – outros atores têm parte do corpo mecanizados, com efeitos bem realizados. As batalhas entre Alita e os seres cibernéticos, principalmente no jogo Motorball (que lembra o clássico Rolerball – Os Gladiadores do Futuro), são empolgantes para quem aprecia o gênero.

A parte mais fraca da produção fica por conta da trama boba e piegas do namoro de Alita com o jovem Hugo (Keean Johnson), na qual Cameron mostra não ter esquecido do sentimentalismo barato que marcou vários momentos de Titanic e Avatar. Ótimos atores, Jennifer Connelly (Réquiem para um Sonho) e Mahershala Ali (Green Book – O Guia) também são mal aproveitados na produção. Ainda há a aparição surpresa de um ator conhecido de Hollywood como o vilão Nova e um gancho final que abre espaço para continuações de Alita como franquia, caso os resultados na bilheteria sejam bons. Cotação: Bom.

Trailer de Alita – Anjo de Combate:


A história de Zain

O cinema árabe tem se destacado no circuito mundial nos últimos anos com diversos e ótimos dramas, como os recentes vencedores do Oscar de melhor filme estrangeiro A Separação (2011) e O Apartamento (2016), ambos do iraniano Asghar Farhadi. Outra dramática história árabe está em Cafarnaum, filme que representa o Líbano na disputa da estatueta de filme estrangeiro deste ano e que recebeu três troféus no Festival de Cannes 2018: Prêmio Especial do Júri, Prêmio do Júri Ecumênico e Prêmio Cidadania.

A diretora Nadine Labaki (Caramelo) apresenta a história de Zain (o impressionante jovem ator Zain Al Rafeea), menino libanês de 13 anos que é preso por atacar o homem que casou com sua irmã mais nova (apenas 11 anos) e que, em um tribunal, resolve processar os pais por terem o colocado no mundo.

Também corroteirista da produção, Labaki pesa a mão na trajetória sofrida de Zain, que passa por todo os tipos de provação que uma criança não deveria suportar – a intenção clara é apelar fortemente pelas emoções da plateia, levando todos às lágrimas.

Zain trabalha por um comerciante fazendo entregas e se vira fazendo pequenos furtos na loja. Ele e seus irmãos não são registrados, por isso não têm direito a ir à escola. Para completar, os pais decidem aceitar o casamento da irmã Sahar com o patrão de Zain. O menino se revolta e foge de casa, sendo abrigado por uma imigrante ilegal africana com um filho pequeno. A moça é presa e Zain fica responsável por cuidar sozinho da criança.

Cafarnaum só não se torna apelativo pela sensacional e emocionante atuação de seu protagonista. Com incrível desenvoltura em frente à câmera, Zain Al Rafeea dá veracidade ao personagem, atuando com toda fúria e fragilidade exigidas para a interpretação. O filme estreia apenas no Espaço Itaú. Cotação: Ótimo.

Trailer de Cafarnaum:

A mula
Lenda do cinema mundial, Clint Eastwood mantém-se na ativa lançando filmes a cada par de anos. Sempre relevante, o veterano diretor também atua como ator em sua mais nova produção, A Mula, inspirada em um artigo da revista do New York Times, sobre um senhor de 90 anos que trabalhava como transportador de drogas para um cartel mexicano.

Eastwood, atulamente com 88 anos, vive o personagem nonagenário Earl Stone, um cultivador de lírios. Por anos, ele negligenciou a mulher Mary (Dianne Wiest, de Tiros na Browdway) e a filha Iris (Alice Eastwood) em prol do trabalho, no qual era uma verdadeira estrela de um pequeno mundo, com premiações em convenções de flores. O protagonista é uma espécie de amálgama dos personagens vividos pelo ator nos filmes Curvas da VidaGran Torino.

A idade chega e também a tecnologia, com a qual Earl não se acerta para melhor vender seu produto, o que o leva à falência e à perda de sua propriedade. Ele não terá abrigo com a família, na qual só a neta Ginny (Taissa Farmiga) ainda o respeita e ama. Para arrumar dinheiro, o velho florista se envolve com traficantes mexicanos e passa a transportar drogas para eles em viagens pelas estradas americanas, virando a mula do título da produção.

O foco da história é a solitária vida que Earl acabou construindo para si mesmo, e não há um debate real sobre o problemas das drogas, apesar da produção ter um núcleo policial com as luxosas participações de Bradley Cooper (repetindo a parceria com o diretor depois de Sniper Americano), Laurence Fishburne (Matrix) e Michael Peña (Homem-Formiga), além de Andy Garcia (Os Intocáveis) como um divertido patrão das drogas.

Eastwood, assim como seu personagem, parece se divertir muito ao longo de toda a produção – na linha depois de uma certa idade avançada, pouco importa o que vão pensar de você, então faça o que lhe der na telha. Earl é livre de amarras e continua a aprontar muito em cenas que divertem o espectador, falando mal dos mais novos e da internet, saindo com prostitutas, tirando do sério os traficantes com suas manias – ele já viveu muito, sabe de seus erros, tenta com o trabalho altamente lucrativo consertar alguns deles, mas tem plena consciência de que um dia irá pagar por eles.
Mesmo não acertando todas as vezes, Clint Eastwood é um cineasta poderoso e a maioria do que faz está muito acima da média atual do cinema. Cotação: Bom.

Trailer de A Mula:


Nacionais

Erasmo Carlos é um dos maiores músicos brasileiros da história, apesar de poucos reconhecerem seu verdadeiro valor. O que para muitos vai ficar é a figura de parceiro eterno do Rei Roberto Carlos, mas sua trajetória envolve muito mais do que isso. Um pouco de sua história é contada no longa-metragem Minha Fama de Mau, título de um dos seus maiores sucessos e também da sua autobiografia.

O diretor Lui Farias (Com Licença, Eu Vou à Luta) destaca o início da carreira de Erasmo – vivido por Chay Suede (O Banquete) – ao lado de Tião Maia (futuro Tim), o início da parceria com Roberto Carlos (Gabriel Leone), e o movimento da Jovem Guarda ao lado também da cantora Wanderléa (Malu Rodrigues, de Confissões de Adolescente).

Trailer de Minha Fama de Mau:


A animação brasileira passa por um bom momento e teve novamente mais uma produção cotada para o Oscar. Tito e os Pássaros, de Gabriel Bitar, que estreia esta semana em Curitiba, estava na pré-lista de longas-metragens de animação candidatos ao Oscar deste ano, mas não conseguiu a indicação final à premiação, por pouco não repetindo o feito de O Menino e o Mundo, de Alê Abreu, que em 2016 foi finalista da maior premiação do cinema.

Dirigida por Gabriel Bitar, André Catoto e Gustavo Steinber, a animação tradicional de traços diferentes tem tons sombrios, de terror em alguns momentos, e fala basicamente sobre o medo, tratado na história como uma doença que passa a atormentar todo o planeta. Tito, um garoto de dez anos, tenta recuperar a cura para a epidemia que seu pai havia descoberto anos antes.

O desenho, que estreia somente no UCI Estação, tem dublagem de atores nacionais conhecidos no cinema e na televisão: Denise Fraga, Mateus Solano e Matheus Nachtergaele.

Trailer de Tito e os Pássaros:


O Projeta às 7 da rede Cinemark destaca esta semana o longa-metragem A Pedra da Serpente, de Fernando Sanches. A produção apresenta uma trama de suspense sobre a personagem Joana (Claudia Campolina), mulher que perde um bebê a pouco meses de nascer e vai se recuperar do trauma em Peruíbe, uma praia do litoral paulista.

A cidade é reconhecida por supostos casos de abdução extraterrestre e a protagonista acaba participando de um trama que pode envolver alienígenas. O filme está em cartaz no Cinemark Mueller.

Trailer de A Pedra da Serpente:


Outras estreias

Coprodução argentina e brasileiras, a comédia As Ineses, de Pablo José Meza (Buenos Aires 100 km), conta a história de dois casais amigos que, na década de 1980, têm uma filha no mesmo dia e no mesmo hospital. Com medo que possa ter havido uma troca das crianças, decidem dar o mesmo nome a elas: Inês Garcia, que acabam se tornando melhores amigas. O filme destaca no elenco André Ramiro, de Tropa de Elite I e II.

Trailer de As Ineses:


O diretor iraquiano Abbas Fahdel apresenta uma história passada no Líbano em Yara, filme que entra em cartaz na Cinemateca e no Cine Guarani. Yara (Michelle Wehbe), a personagem central, vive com a avõ em um vale no interior do país. Ela conhece o jovem andarilho Elias (Elias Freifer) e vive com ele um namoro de verão.

Trailer de Yara:


_

Instagram @curitibaemdestaque

Novidades


Curitiba em Destaque


Menu