Destaques

ads slot

O perturbador O Mal Não Espera a Noite – Midsommar apresenta terror em comunidade sueca. FILMES, por Rudney Flores


Filme do diretor Ari Aster destaca rituais realizados por um grupo fanático durante o solstício de verão na Suécia.
Crédito da foto: Divulgação/Paris Filmes
Gênero clássico do cinema, o terror passa por uma bem-vinda renovação nos últimos anos, com novos diretores que estão apresentando produções diferenciadas e criativas, diversificando as temáticas, e que também fogem dos personagens tradicionais descritos por décadas. Um dos cineastas de destaque da nova geração é Ari Aster, que teve boa estreia no ano passado com Hereditário e apresenta agora O Mal Não Espera a Noite – Midsommar, uma das principais estreias na programação desta semana.

Também responsável pelo roteiro, Aster ambienta a nova história em uma comunidade do interior da Suécia, que celebra anualmente o solstício de verão (o Midsommar) – dia de maior duração do Sol no ano; no hemisfério norte, acontece em julho, e no sul, em dezembro.

Os habitantes de Hagar recebem a visita de norte-americanos, que chegam a convite de Pelle (Vilhelm Blomgren), criado na comunidade. Ele é estudante de antropologia, assim como Christian (Jack Reynor, do simpático Sing Street – Música e Sonho, disponível em plataformas digitais) e Josh (William Jackson Harper, de Paterson), que vibram com a possibilidade de acompanhar os rituais seculares de um povo.

Também estão no grupo o amigo abobalhado Mark (Will Poulter, da franquia Maze Runner) e Dani (Florence Pugh, de Lady Macbeth), namorada de Christian e personagem central da história. Sempre com crises de pânico, ela passa por uma tragédia familiar e vê a viagem como uma forma de espairecer e voltar a se aproximar do parceiro, pois sua relação não anda bem.

A paisagem é idílica e todos em Hagar parecem extremamente amigáveis, vestindo roupas brancas e distribuindo psicotrópicos. Em pouco tempo, a aparente calmaria se transforma em algo completamente estranho para o grupo forasteiro, com experiências de grande violência.

Diferente da maioria das produções do gênero, Aster cria terror à luz do dia (praticamente não anoitece na pequena vila por conta do solstício), com diversas cenas perturbadoras e grotescas envolvendo os rituais do grupo sueco, que revela um fanatismo assustador.

O desenvolvimento da história é percebido facilmente (tem muitas semelhanças com Corra!, de Jordan Peele, vencedor do Oscar de melhor roteiro no ano passado). Logo fica claro que algo estranho está acontecendo e que os personagens deveriam se afastar rapidamente do local, o que, claro, não acontece. Mas o diretor consegue criar um bom clima de tensão, com a loucura tomando conta da tela progressivamente até o final catártico e sombrio.  Cotação: Bom.

Trailer de O Mal Não Espera a Noite – Midsommar:


Rambo – O retorno

Sylvester Stallone tem dois personagens icônicos na carreira. O primeiro, o lutador Rocky, criado nos anos 1970, foi resgatado com sucesso em 2006 no ótimo Rocky Balboa e segue bem na franquia derivada Creed – o ator foi até indicado ao Oscar pelo primeiro filme da nova série.

Já Rambo chegou aos cinemas em 1982, em Programado para Matar, uma adaptação do livro First Blood, de David Morrell, escrito dez anos antes. Depois do ótimo filme inicial, o personagem virou símbolo norte-americano nos anos finais da Guerra Fria com os bélicos Rambo 2 – A Missão e Rambo 3. Houve um primeiro retorno em Rambo (2008) – com o êxito de Rocky, Stallone viu a brecha para trazer o ex-militar às telas novamente, mas o filme, dirigido por ele mesmo, é muito fraco, colocando Rambo para combater inimigos na Ásia.

O ator tenta nova oportunidade para o personagem com Rambo – Até o Fim, dirigido pelo estreante Adrian Grunberg. Os inimigos da vez são traficantes mexicanos. O veterano Rambo vive agora numa fazenda dos Estados Unidos, próxima do México, na qual cuida de seus cavalos. Mas quando a filha de um amigo é sequestrada pelos bandidos do outro lado da fronteira, ele revida com muita violência.

Trailer de Rambo – Até o Fim:


Outras estreias

Julianne Moore (Oscar de melhor atriz por Para Sempre Alice) e Michelle Williams (quatro indicações ao Oscar) estrelam o drama Depois do Casamento, do diretor Bart Freundlich (Totalmente Apaixonados), marido de Moore. A produção é um remake do filme dinamarquês homônimo, da diretora Susanne Bier, indicado ao Oscar de filme estrangeiro de 2007.

A trama destaca Isabel (Williams), gerente de um orfanato na Índia que vai aos Estados Unidos negociar uma grande doação para a instituição pela empresária Theresa (Moore). A poderosa mulher convida a visitante para o casamento de sua filha. Na cerimônia, Isabel descobre que conhece o noivo (Billy Crudup, de Quase Famosos), uma relação antiga cheia de segredos.

Trailer de Depois do Casamento:


A ex-presidente Dilma Roussef é a principal entrevistada do documentário Torre das Donzelas, da diretora Susanna Lira (Mussum, um Filme do Cacildis). O filme apresenta depoimentos de mulheres que foram presas e torturadas pela ditadura militar brasileira nos anos 1970. A maioria delas esteve numa prisão conhecida como Torre das Donzelas, já demolida, mas cujo ambiente foi reconstituído pela diretora, que ainda coloca atrizes para encenar algumas das situações vividas pelas prisioneiras. O filme tem estreia no Cineplex Batel.

Trailer de Torre das Donzelas:


O início do mercado de tráfico de drogas na Colômbia é tema de Pássaros de Verão, dos diretores Cristina Gallego e Ciro Guerra – este último de O Abraço da Serpente, indicado ao Oscar de filme estrangeiro de 2016.

Na cidade de Guajira, uma família Wayúu inicia a venda de maconha para os Estados Unidos, trazendo muito dinheiro para a região. Ao mesmo tempo, o envolvimento com o tráfico coloca em questão diversos valores e tradições culturais. A produção tem lançamento apenas no Espaço Itaú.

Trailer de Pássaros da Verão:


Branca como a Neve, da diretora Anne Fontaine (Agnus Dei), apresenta uma releitura da famosa história infantil, ambientada na França dos dias atuais. Na trama, a madrasta Maud (Isabelle Hupert, de Elle) não se conforma que o namorado esteja interessado por sua enteada Claire (Lou de Laâge, também de Agnus Dei). Por isso, decide dar um sumiço na moça, que vai parar em uma fazenda. Lá, Claire conhece sete homens que ajudam a despertar sua sexualidade. O filme estreia no Cineplex Batel.

Trailer de Branca como a Neve:


Ficção e documentário estão presentes em O Maior Presente – Um Filme Sobre o Perdão, do diretor espanhol Juan Manuel Cotelo, que também assina o roteiro da produção. O filme inicia com uma filmagem fictícia, na qual um cineasta tenta finalizar um faroeste, para o qual não quer dar o tradicional final em que o herói mata o bandido.

Sua equipe defende que todos gostam de finais vingativos, mas o diretor decide provar o contrário e vai atrás de experiências em que as pessoas perdoaram quem lhes fez mal, colhendo depoimentos reais. O filme tem sessões no Cinemark Mueller.

Trailer O Maior Presente – Um Filme Sobre o Perdão:


Coprodução do Uruguai, Brasil e Argentina, Meu Mundial – Para Vencer não Basta Jogar, primeiro longa-metragem do diretor uruguaio Carlos Andrés Morelli, é baseado no livro infanto-juvenil Mi Mundial (inédito no Brasil), do escritor Daniel Baldi, ex-jogador de futebol também uruguaio.

A história fala de Tito (Facundo Campelo), menino de talento precoce no futebol. De origem humilde, ele tem a chance de mudar sua vida e de sua família ao ser contratado por um grande time. Mas haverá vários percalços em sua trajetória até se tornar um grande jogador. O filme estreia no Espaço Itaú.

Trailer de Meu Mundial – Para Vencer Não Basta Jogar:


Os gauleses mais famosos do mundo ganham mais uma versão animada em Asterix e o Segredo da Poção Mágica. Baseado nas histórias criadas por Albert Uderzo e René Goscinny, o filme dos diretores Alexandre Astier e Louis Clichy traz Asterix e Obelix buscando um novo guardião para o segredo da poderosa poção mágica criada pelo druída Getafix, que dá força a todos da aldeia.

Trailer de Asterix e o Segredo da Poção Mágica:


No italiano Dafne, do diretor Frederico Bondi, a personagem título é uma jovem com síndrome de Down que perde a mãe e precisa ir morar com o pai. Com pouco contato anterior, os dois precisam acertar suas diferenças para ter uma melhor convivência. A produção está sendo lançada no Cine Passeio.

Trailer de Dafne:
_



Instagram @curitibaemdestaque

Novidades


Curitiba em Destaque


Menu