Destaques

ads slot

Entre Facas e Segredos presta homenagem a Agatha Christie

Ana de Armas e Daniel Craig vivem os personagens centrais do novo filme do diretor Rian Johnson.
Crédito da foto: Claire Folger/MRC II Distribution Company

Após uma passagem que dividiu fãs mais fanáticos da franquia Star Wars com Os Últimos Jedi, o diretor Rian Johnson presta homenagem à escritora Agatha Christie e aos filmes de mistério com Entre Facas e Segredos, principal estreia da semana nos cinemas brasileiros.

A trama se inicia com a morte do famoso escritor de livros de suspense Harlan Thrombley (Christopher Plummer, Oscar de ator coadjuvante por Toda Forma de Amor), que teria se suicidado em sua mansão, após a comemoração de seu aniversário de 85 anos. Mas, alguns dias depois, os presentes na festa prestam depoimentos à polícia na presença do conhecido detetive Benoit Blanc (Daniel Craig, o atual 007), que diz investigar o caso como assassinato.

Para o investigador, são suspeitos do crime praticamente todos na família de escroques e aproveitadores do escritor, formada pelo filho Walt (Michael Shannon, de O Abrigo), a filha Linda (Jamie Lee Curtis, de Halloween) e seu marido Richard (Don Johnson, de Django Livre), o neto Ransom (Chris Evans, o Capitão América da Marvel), a nora Joni (Toni Collette, de Hereditário) e a neta Meg (Katherine Langford, de Com Amor, Simon).

Uma peça importante na investigação é Marta (Ana de Armas, de Blade Runner 2049), cuidadora de Thrombley e por quem ele tinha grande afeição. A moça descendente de imigrantes latinos guarda segredos da família revelados pelo patrão e tem um engraçado distúrbio, que gera os momentos mais divertidos do filme: ela sempre vomita após contar uma mentira.

Com a estrutura revelada, era esperado um crescente de pistas até a solução do suposto crime. Só que Johnson, também autor do roteiro, não segue a cartilha do gênero e revela em pouco tempo como a morte de Thrombey aconteceu. Mas outros desdobramentos e reviravoltas acontecem na história, mantendo o suspense até o final. O diretor ainda investe em relações sociais, mostrando os conflitos entre os patrões Thrombey e a empregada Marta, de quem nunca sabem a origem – as menções a ela geram outros momentos cômicos, pois dizem que é equatoriana, uruguaia e até brasileira.

No elenco afinado, o destaque fica para Craig, notadamente se divertindo muito fazendo o sotaque sulista americano e com um personagem espertalhão que parece não saber muito bem o que está fazendo (mas apenas nas aparências). Ana de Armas também se sai muito bem como a improvável protagonista de uma produção se revela um entretimento de qualidade. Cotação: Ótimo.

Trailer de Entre Facas e Segredos:



Noir em Nova York

Um dos melhores atores de sua geração, Edward Norton também se arrisca atrás das câmeras esporadicamente. Ele estreou como diretor na comédia Tenha Fé (2000) e retoma o posto duas décadas depois com Brooklyn – Sem Pai Nem Mãe, baseado no romance homônimo do escritor Jonathan Lethem.

O projeto mostra-se muito pessoal para Norton, que roteiriza a obra e também interpreta o protagonista que dá nome ao filme, narrador de uma trama noir ambientada no início dos anos 1950, em Nova York. Brooklyn trabalha com o detetive Frank (Bruce Willis, do recente Vidro), que é assassinado após uma negociação malsucedida logo no início da história.

Ele decide investigar o crime e saber as razões da morte do amigo e protetor, envolvendo-se em um intricado mistério com a participação de poderosos políticos locais e também da bela Laura (Gugu Mbatha-Raw, de Um Homem entre Gigantes), jovem ativista e filha de um dono de bar de jazz. Parte da história tem paralelos com a atualidade, com o político Moses Randolph, vivido por Alec Baldwin (Para Roma, com Amor) tendo ecos de Donald Trump, e questões de moradia nas grandes cidades.

Mas Norton parece não tem nenhuma pressa em desenvolver a história. Ele também se diverte com seu personagem, que tem o distúrbio Síndrome de Tourette, com diversos tiques que envolvem tocar as pessoas em momentos importunos e emitir palavrões a todo momento. O alívio cômico funciona bem em alguns pontos da história, em outros acaba ficando cansativo, assim como a produção como um todo em seus extensos 144 minutos. Tramas do gênero geralmente tem inúmeras variáveis, vão e voltam em seus mistérios, mas Norton demora um pouco em colocar tudo nos eixos.

Uma bela cena no bar de jazz, com Brooklyn e Laura dançando, une as principais qualidades do filme: a boa ambientação de época e uma ótima trilha sonora com músicas de Winston Marsalis, além de “Daily Battles”, uma canção original de Thom Yorke (Radiohead) e Flea (Red Hot Chili Peppers). Com uns 40 a minutos a menos, o filme, em cartaz apenas no Cinépolis Pátio Batel, ficaria a contento. Cotação: Bom.

Trailer de Brooklyn – Sem Pai Nem Mãe:



O rock acabou

Houve um tempo em que o rock era a principal representação da juventude no mundo. No Brasil, o principal momento aconteceu nos anos 1980, com o surgimento de bandas que vendiam milhões de discos e levavam milhares de fãs aos shows. Boa parte dos grupos mais importantes teve origem em Brasília – Legião Urbana, Paralamas do Sucesso, Capital Inicial, Plebe Rude.

Corta para a segunda década dos anos 2000. Assim como na maior parte do país, a capital federal já não tem o rock como gênero preferido dos jovens. E os raros que ainda militam na área, tocam para alguns gatos pingados quando conseguem marcar algum show. Este é o cenário de Ainda Temos a Imensidão da Noite, do brasiliense Gustavo Galvão – de Nove Crônicas para um Coração aos Berros (o diretor parece gostar de títulos pomposos), um dos filmes que alguns canais fechados atualmente passam sem parar para cumprir sua cota obrigatória de produções nacionais.

Em Brasília, Karen (Ayla Gresta) é designer de uma agência, mas seu principal foco é a banda Animal Interior, que mantém com o namorado Artur (Gustavo Halfeld) e mais dois amigos – todos também têm empregos formais, mas o sonho, quase impossível, é viver de música. Apesar da euforia do radialista Alex (Marat Descartes, de Trabalhar Cansa), praticamente o único fã do grupo, os jovens músicos logo percebem que o rock não tem muito futuro na cidade e partem para novos rumos. Artur vai para Berlim, e logo é seguido por Karen, mas as coisas também não são o que esperavam na Alemanha.

Se fosse mais trabalhado, o roteiro poderia trazer uma reflexão mais profunda sobre o fazer musical atualmente no Brasil. Mas tudo é muito centrado na protagonista e suas ideologias, além de alguns problemas familiares. Para completar, o trabalho dos atores principais é fraco, já que são músicos na realidade, e acabam tendo atuações superficiais.

De bom, há a música. A fictícia Animal Interior tem um som muito interessante, um punk experimental com um toque exótico do trompete de Karen/Ayla, que chamou a atenção de Lee Ranaldo, da cultuada banda Sonic Youth; o músico curtiu o que ouviu e decidiu participar do filme como produtor musical.

Depois das filmagens, Ayla Gresta e Gustavo Halfeld montaram o duo YPU, que já gravou um EP de três canções, um trabalho próximo ao do grupo do filme. O filme tem sessões no Espaço Itaú e no Cine Passeio. Cotação: Regular.

Trailer de Ainda Temos a Imensidão da Noite:



Outras estreias

Estrela da música e do cinema, Jennifer Lopez é o principal nome do elenco de As Golpistas, da diretora Lorene Scafaria. JLo é Ramona, uma stripper que atua durante a crise financeira nos Estados Unidos em 2008. Percebendo que seus ganhos diminuíram, ela cria um grupo de dançarinas que passam a roubar seus clientes. Durante as festas, elas dopam os homens e furtam seus cartões de crédito, contando com o medo deles de um escândalo para não denunciá-las.

Algum tempo depois, a stripper Destiny (Constance Hu, de Podres de Ricos) conta a história de crimes para a jornalista Elizabeth (Julia Stiles, da franquia Bourne)

Trailer de As Golpistas:



Com O Juízo, o diretor Andrucha Waddington volta a investir nos gêneros terror e suspense 20 anos após sua estreia em Gêmeas. A história tem como personagem central Augusto (Felipe Camargo, de Xingu), que tem problemas familiares e profissionais. Ele decide levar a família – a esposa Tereza (Carol Castro) e o filho Marinho (Joaquim Torres Waddington) –, para uma fazenda antiga do avô.

No local, algumas assombrações passam a persegui-lo, relacionadas a uma vingança de algo que aconteceu há 200 anos. O elenco também destaca Fernanda Montenegro (Central do Brasil), Lima Duarte (Eu Tu Eles), Fernando Eiras (Filme de Amor) e o rapper Criolo.

Trailer de O Juízo:



Único brasileiro indicado ao Oscar de melhor diretor, Fernando Meirelles se envolveu em poucos projetos na área de cinema depois de seu grande sucesso, Cidade de Deus (2002). Dois Papas, que estreia esta semana, é um filme bancado pela Netflix, e marca seu retorno à tela grande após oito anos (o último trabalho havia sido 360, de 2011).

Com roteiro de Anthony McCarten (indicado ao Oscar pelo texto de A Teoria de Tudo), a produção apresenta o encontro entre os papas Bento XVI (Anthony Hopkins, de O Silêncio dos Inocentes) e Francisco (Jonathan Pryce, de A Esposa), quando o primeiro decide renunciar ao papado e o segundo hesita em continuar como cardeal no Vaticano.

De perfis completamente diferentes, os dois se aproximam e traçam os novos rumos da religião que tem mais de 1 bilhão de seguidores no mundo. O filme tem lançamento apenas no Cine Passeio.

Trailer de Dois Papas:



Matrix

Um dos filmes mais cultuados na história do cinema, influência para várias produções por seus revolucionários efeitos especiais, Matrix está completando 20 anos. Para celebrar a data, a produção volta ao cartaz em vários cinemas da capital – Cineplus Jardim das Américas, Cine Passeio, Cinemark Mueller, UCI Estação, UCI Palladium e Cinépolis Pátio Batel.

O trabalho dos Irmãos Wachowski – hoje irmãs, pois ambos fizeram a transposição de gênero – apresenta uma história ambientada em um futuro distópico, no qual as máquinas transformaram humanos em baterias de energia e mantêm suas mentes vivendo em um mundo virtual, a Matrix. Com a ajuda de Morpheus (Laurence Fishburne) e Trinity (Carrie-Anne Moss), Neo (Keanu Reeves), o “Escolhido”, luta para libertar os humanos e trazê-los de volta ao mundo real.

Keanu Reeve é Neo, protagonista de Matrix, um dos filmes mais influentes das últimas décadas.
Crédito da foto: Divulgação

Instagram @curitibaemdestaque

Novidades


Curitiba em Destaque


Menu