O Medo e a Criatividade – COLUNA RECEITA DE ESCRITA, por Cláudia Moreira

 em Cláudia Moreira, Colunistas

Quando menos esperamos, ele aparece para atrapalhar nossos planos. Surge sorrateiro. Se não combatido, pode postergar sonhos e desejos. É preciso ter coragem para derrotar este inimigo. Afinal, uma vida criativa não convive com o medo ou sabe colocá-lo em seu devido lugar.

De repente, lá aparece ele: o medo. A sensação que por anos a fio nos ajudou a sobreviver, alertando o corpo e a mente para iminentes perigos, hoje pode atrapalhar um pouco. A descarga de adrenalina no sangue paralisa e impede, muitas vezes, de andar adiante. E tem medo para tudo: escrever um livro, não ter talento, abrir uma editora, fracassar, ser criticado etc. A lista é enorme. O certo é que, quando este estado de apreensão dá o ar da graça, o sinal de alerta interno apita, o coração bate aceleradamente, surgem as tremedeiras, a boca resseca e… todos os planos ficam bem guardadinhos, esperando o bicho-papão do medo passar. Será que passa?

O medo talvez não passe, mas fica bem pequenino. Para tanto, é necessário coragem. Ousar não combina com o medo paralisante, e este inimigo precisa ser combatido para que os passos sejam dados, um a um. Uma vida criativa não se subordina ao receio disso ou daquilo. Quando éramos crianças, nós não tínhamos problema algum em cair ou em fazer algo errado, não é? Com o tempo, vejo que colocamos areia na ousadia e na criatividade e ficamos amedrontados com a ideia de desenterrar a vontade de explorar o mundo, inovar e colocar ideias mirabolantes em prática. Por quê?

O máximo que vai ocorrer, se botarmos nossos planos ousados para funcionar, é alguém dizer um não, fechar uma porta, achar que somos um pouco loucos. Mas e daí? Tudo pode dar errado e tudo pode dar muito certo. Por que não tentar? Nossa criatividade não tem limite. O pavor pode nos colocar em jaulas, e isso nos amarra, nos deixa com a vontade em suspensão. Nada é realizado.

Já vivi muitos medos. Encará-los é uma tarefa árdua. Porém, parece-me que, quando conseguimos a primeira vitória, o restante fica mais fácil. Lutar contra o que nos paralisa é libertador. Agir é a única saída para enfrentar a “fera” lá fora. Não tem aquele ditado popular de que “se ficar o bicho come, se correr o bicho pega?” Pois é, acredito que seja por aí. Por que não se jogar nos sonhos e fazer acontecer? A criatividade agradece.

Texto retirado do livro Receita de Escrita, da Editora Ponto Vital. À venda no link: https://pag.ae/7XcqSZSnH

 

Ilustração: @igor.baldez

 

Cláudia Moreira é mestranda em Escrita Criativa (Uniandrade/PR), formada em Letras e Jornalismo (Uniceub- DF), com especializações em Revisão e Produção Textual (FAE-PR), Desenvolvimento Sustentável (UNB-DF) e Master em Jornalismo (IICS-SP). Tem vários livros publicados, entre eles, Receita de Escrita. É sócia-proprietária da Editora Ponto Vital (PR) e professora de Escrita do Solar do Rosário em Curitiba.

Postagens Recomendadas

Deixe um Comentário